COVID-19 Quadro Clínico do Dr. João Rocha Neto

Médico: Dr. João Rocha Neto
Paciente:
 João Rocha Neto
Profissão: Médico
Antecedentes: portador de hiperglicemia leve, controlada com metformina e dieta.

Em junho de 2020, iniciou-se uma congestão nasal com sintomas característicos de rinite, que perduraram durante 20 dias.

Iniciei antialérgico, porém, não houve melhora. Após este período, apresentei sudorese intensa além de dor muscular importante, e através de exames laboratoriais, fui diagnosticado com COVID-19.

Comecei o tratamento com azitromicina, zinco em altas doses, ivermectina e hidroxicloroquina. Meu quadro clínico evoluiu para debilitação e necessidade de oxigenoterapia. Instável, apresentei queda de saturação e descompensação glicêmica, levando à necessidade de suporte hospitalar.

Em 25 dias de internação, recebi o tratamento de protocolo hospitalar. Minhas filhas e eu elaboramos um tratamento para associar a ele. Por sermos médicos e farmacêutica, apresentamos conhecimentos científicos, através de estudos e cursos em antioxidantes que poderiam atuar especificamente no combate ao radical hidroxila que é altamente danoso às membranas celulares.

Entre vários antioxidantes, fiz uso em dosagens especiais de zinco, ácido lipóico, ubiquinona, vitamina D3, curcuma longa, magnésio, entre vários outros. Iniciei uma etapa de tratamentos amplos e seguros para a ação do COVID-19 e suas consequências patológicas secundárias. O que tive foi um dos mais agressivos, desenvolvendo um tromboembolismo logo no início dos sintomas, além de pneumonia hospitalar.

Meus valores de dímero D, PCR (proteína C reativa) se alteraram bastante. No hospital, tive aumento da glicemia, chegando a 395, devido a cascata inflamatória ter afetado o pâncreas. O uso de corticoides em grandes quantidades também foi responsável por intensificar o aumento da glicemia.

Há anos, mantenho meu tratamento preventivo e faços exames laboratoriais mensalmente. Estes permanecem de suma importância, uma vez que o COVID pode trazer surpresas indesejáveis, caso não haja um controle de medicamentos e exames em laboratório.

Estou “curado” e não transmiti o vírus para ninguém, já que o teste de PCR-RT resultou negativo desde o início dos sintomas apresentados referentes ao COVID-19.

Inseri à minha rotina, com maior intensidade, a prática de atividades físicas. Estas auxiliarão na recuperação de minha resistência muscular, permitindo em breve, retornar ao trabalho, no início de 2021.

Agradeço a todos que se preocuparam e procuraram saber notícias durante minha internação.

Esta pandemia têm sintomas variáveis, podendo ser confundida inicialmente com gripe, alergia, artrite, dentre outras patologias. Todos nós, conscientes da situação e da gravidade que pode apresentar, necessitamos utilizar máscaras e evitar, ao máximo, aglomerações. A prevenção é a melhor maneira, no momento, de lutarmos contra o coronavirus.

Rolar para o topo